[Livro do mês] Stuart Olyott – “Ministrando como o Mestre”

Vinícius S. Pimentel

Livro do mês - Ministrando como o Mestre

Quando comprei o pequeno livro Ministrando como o Mestre: Aprendendo com os métodos de Cristo, eu não fazia ideia do maravilhoso tesouro que estava levando para casa. De fato, as 67 páginas deste opúsculo não chamam a atenção de leitores desavisados como eu. Todavia, numa combinação rara de simplicidade e consistência, o pastor galês Stuart Olyott compartilha conosco riquezas insondáveis acerca do ministério da Palavra de Deus, apontando-nos as principais marcas do ministério do próprio Senhor Jesus como um exemplo a ser seguido pelos Seus ministros.

No primeiro capítulo, Stuart Olyott assevera que nosso Senhor não era um pregador enfadonho. A pregação de Jesus era vibrante e, por isso, poderosa e eficaz para o coração dos ouvintes. “A forma de falar do nosso Senhor era característica, clara, simples e fácil de copiar” (p. 7).

O autor faz uma exposição panorâmica do Sermão do Monte para mostrar que a oratória de Jesus seguia um método triplo, consistente em ensinar-ilustrar-aplicar. Todavia, ao invés dividir o sermão nessas três partes, o Senhor mesclava ensino, ilustração e aplicação – como numa trança de cabelo, em que não é fácil distinguir cada mecha que a compõe – de uma maneira que a mente dos ouvintes era cativada pela Sua mensagem. Olyott enfatiza que o método de ensino de Cristo era claro, Suas ilustrações soavam familiares ao povo e Suas aplicações abrangentes alcançavam os mais diversos tipos de pessoas ouvintes.

No segundo capítulo, Olyott parte da passagem narrada em Mateus 11.20-30 para demonstrar que nosso Senhor era um pregador evangelista. A fim de assegurar que essa afirmação não seja mal-entendida ou menosprezada, o autor explica o significado de ser um evangelista: é pregar com vistas à conversão imediata de cada ouvinte. “Enquanto prego, tenho uma foice na mão. Minha oração e meu alvo é colher uma safra do sermão que estou dando no momento” (p. 31).

O pastor galês, então, extrai do texto exposto três lições vitais a respeito da pregação evangelística do Senhor Jesus. Em primeiro lugar, Jesus demonstrava o Seu zelo evangelístico ao apontar o dedo para grupos específicos de pessoas: Ele dirige-se aos moradores de Corazim, Betsaida e Cafarnaum e mostra quão grande e terrível era o seu pecado. O Senhor então expõe pecados específicos daqueles grupos de pessoas e aponta-lhes o Dia do Julgamento como uma advertência para que eles se arrependessem e se convertessem.

Em segundo lugar, Jesus demonstrava o Seu zelo evangelístico ao dobrar os joelhos. A passagem em questão narra que Jesus, após apontar o dedo para os pecados dos Seus ouvintes, irrompeu em oração ao Pai. Stuart Olyott então conclui: “Isto nos ensina que devemos não apenas apontar nosso dedo; devemos também dobrar o joelho” (p. 40). Contudo, a oração do Senhor – ao contrário do que se poderia esperar – não expressa uma petição, e sim um profundo louvor à soberania e aos sábios decretos de Deus na eleição: “Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado”. Mas como esse tipo de oração pode fazer parte do nosso ministério evangelístico? Olyott afirma:

Para seguir o caminho do Mestre, você tem de admirar o mistério, não entendê-lo; tem de adorar o mistério, sem se perder em especulação e filosofia. Tal caminho também é um mistério a ser proclamado, mas ao fazê-lo nunca tente explicá-lo. Deus é Deus. Você é um homem ou uma mulher e isto é tudo que sempre será. Então, dobre os joelhos!

Em terceiro lugar, Jesus demonstrava o Seu zelo evangelístico ao abrir os braços. Para o Senhor, não era suficiente apontar o dedo para o pecado dos ouvintes e dobrar os joelhos em reverente louvor ao Pai; assim, também, nós devemos abrir os braços, convidando generosamente os pecadores a virem a Cristo e desfrutarem de todos os Seus benefícios prometidos aos que Lhe pertencem. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei”. Aqui, Stuart Olyott desafia os pregadores a oferecerem com liberalidade, sem restrições ou receios, as promessas do Evangelho. Ele nos exorta a mostrarmos, em nosso ministério, o quanto o Senhor Jesus é “manso e humilde de coração” – nunca rejeitando o pecador que retorna – e o quanto são maravilhosas as Suas promessas – o Seu jugo é suave e o Seu fardo é leve.

No último capítulo, Olyott conclui a sua apresentação do ministério de Cristo sustentando que nosso Senhor não era apenas um pregador. Esta é, sem dúvida, uma das mais importantes lições a serem aprendidas pelos pregadores (e por aqueles que almejam pregar o Evangelho): o ministério da Palavra de Deus não se resume à pregação.

O autor não deixa de enfatizar que “nosso Senhor é um pregador”. Isso está fora de questão; a pregação é um elemento central, fundamental em Seu ministério. Todavia,  ele deseja demonstrar que “pregar não é a única coisa em sua vida” (p. 54). Assim, numa breve exposição de Marcos 1, Olyott nos mostra sete coisas que Jesus fez em Seu ministério, além de pregar.

Primeiro, Jesus se identifica com os pecadores ao submeter-se ao batismo de João (assim como Ele se identificaria com os pecadores ao substituir-nos na cruz). Segundo, Jesus experimentou tentação, ao ser conduzido pelo Espírito ao deserto. Terceiro, Jesus faz discípulos por meio de conversas pessoais, tal como relatado na conversão de Simão, André, Tiago e João. Quarto, Jesus confronta o mal pessoalmente, como o fez com aquele endemoninhado na sinagoga em Cafarnaum. Quinto, Jesus preocupa-se com os doentes, como fica claro na cura da sogra de Pedro. Sexto, Jesus mantém uma vida de intensa oração secreta. Sétimo, Jesus toca os rejeitados, aqueles de quem todos os outros recusam a aproximar-se. Jesus era, enfim, muito mais que um pregador. “Isto aconteceu, porque toda a sua vida foi um ministério, e ministrar foi toda a sua vida” (p. 66).

De maneira amorosa, porém confrontadora, Stuart Olyott desafia os leitores: se nossa pregação é enfadonha, não estamos ministrando como o Mestre. Se não somos pregadores evangelistas, não estamos ministrando como o Mestre. E, se somos apenas pregadores, também não estamos ministrando como o Mestre.

O livro todo possui um tom de exortação calorosa, porém compassiva, conduzindo-nos a uma visão elevada do ministério da Palavra e chamando-nos a seguirmos os passos de Jesus na Sua maneira perfeita de ministrar neste mundo. Todavia, este não é um livro sobre técnicas de pregação, tampouco é o seu objetivo nos dar uma lista de coisas a fazer se quisermos ser ministros bem-sucedidos. Ao contrário, após mostrar o padrão perfeito do ministério de Jesus, Stuart Olyott convoca os imperfeitos ministros a voltarem os seus olhos para a cruz, confessando os seus pecados e clamando pela ação transformadora do Espírito de Cristo:

Devemos buscar o Crucificado que agora é Exaltado; devemos reconhecer tudo que O ofende e entristece, experimentar novamente sua purificação e deixar o lugar secreto com uma consciência limpa.

[…] A minha oração, contudo, é para que mais de um leitor diga: “Em todas as áreas da vida eu baguncei as coisas. Senhor, novamente me prostro aos teus pés, como um pecador diante da cruz e quero contar tudo sobre essa desordem”. Nosso Senhor mostra graça e dá perdão a todo pecador arrependido. Ele também se certifica de que a vida de tal pecador não permaneça como era!

Ministrando como o Mestre: Aprendendo com os métodos de Cristo é, enfim, um excelente livro, que comunica verdades profundas com uma linguagem simples e conduz o leitor pelos caminhos maravilhosos do arrependimento e da graça de Deus. É, sem dúvida, um livro voltado para aqueles que de alguma maneira estão envolvidos com o ministério da Palavra; contudo, tenho certeza de que qualquer cristão (e até mesmo um incrédulo) poderá ter grande proveito na sua leitura – afinal, nada existe de mais importante nesta vida além de contemplar o ser e as obras de Cristo, e, assim, ser transformado na Sua própria imagem. E o livro certamente nos conduz a essa divina contemplação.

________________________

Informações do livro

Título: Ministrando como o Mestre: Aprendendo com os métodos de Cristo
Autor: Stuart Olyott
Editora: Fiel
Edição:
Ano: 2005
Número de páginas: 67

Por: Vinícius Silva Pimentel | PreciosoCristo | Original aqui.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que inclua estes créditos, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s